Problemas cardíacos também atingem animais

Você sabia que doenças cardíacas também são desenvolvidas por cães e gatos? O médico veterinário cardiologista e diretor clínico do Pet Care Ibirapuera, Eduardo Lipparelli, desvenda e explica alguns mistérios que envolvem a cardiologia veterinária.

O mito mais propagado é que os cachorros morrem de infarto. “Os cães não morrem desta doença, pois existem vários caminhos e comunicações dos vasos coronarianos que reduzem as consequências de uma interrupção do fluxo sanguíneo no músculo cardíaco”, esclarece Lipparelli.

Outra questão que deixa os donos do pet em dúvida é se os animais de estimação com sopro sempre têm doença cardíaca. A resposta é não! O sopro cardíaco tem por definição o aumento de velocidade de fluxo sanguíneo. “Febre, anemia e desidratação podem provocar um aumento da velocidade do fluxo sanguíneo e, consequentemente, o sopro”, explica Eduardo.

Contudo, cães e gatos sofrem sim com hipertensão arterial e tosse. O médico veterinário explica que a primeira doença é silenciosa e muitas vezes não é diagnosticada. “As causas da hipertensão geralmente são secundárias a doenças cardíacas, doença renais, doenças hormonais, entre outras”, alerta.

Outro sintoma que pode estar associado a doenças cardíacas é a tosse. Caso haja um aumento do coração, este pode provocar uma compressão no brônquio e traqueia e, desta forma, ocasionar a tosse. “Outra causa é o edema pulmonar, um acúmulo de líquido nos pulmões por causa da falha de bombeamento cardíaco”, diz o médico veterinário.

No final de julho de 2013, a equipe de especialistas em cardiologia do hospital realizou duas técnicas de cirurgia inéditas no Brasil, que contaram com a participação do Dr. Romain Pariaut, da Universidade da Lousiana. Os métodos cirúrgicos, que são comuns em outros países, representam uma inovação e foram realizadas pela primeira vez no país e em um hospital veterinário.

ERRATA

A Pedido do Dr. Paulo Juliani MV PhD, que tem vasto curriculun na área, ele que é:
Colaborador do Departamento de Cirurgia Torácica e Cardiovascular do InCor-FM-USP
Membro da Comissão Científica da Anclivepa-SP
Coordenador do Curso Intensivo de Cirurgia Torácica e Cardiovascular da Anclivepa-SP
Chefe do Serviço de Cirurgia Cardiovascular Percutânea (pioneiro em cateterismo intervencionista na América Latina-2009)
Professor do Módulo de Tórax do Curso de Especialização em Cirurgia de Tecidos Moles da Anclivepa-SP
Professor do Módulo de Tórax do Curso de Cirurgia do CDMV-RJ
Professor do Módulo de Cirurgia Torácica e Cardiovascular do CetacVET-SP
psjuliani@usp.brpjuliani@hotmail.com;

Informamos que as informações neste parágrafo marcado em azul, estão incorretas do ponto de vista acadêmico, visto que o texto acima alega que os procedimentos realizados em cães em 2013 são novos ou inéditos no Brasil, caracterizando um pioneirismo que não existiu, já que a equipe deste veterinário já os realiza desde 2009, data em que fizeram o primeiro caso Latino Americano, assim como consta da edição de número 99 da revista científica "REVISTA CLÍNICA VETERINÁRIA" no link  http://www.revistaclinicaveterinaria.com.br/edicao/2012/julho-agosto.html 

Portanto, a fim de fazer justiça à equipe do Dr. Paulo Juliani, deixamos consignados a errata.

As cirurgias de Valvuloplastia por balão e Oclusão de PDA percutânea foram executadas para correção percutânea de cardiopatias congênitas. São pequenas cirurgias corretivas das válvulas doentes do coração e fechamento por meio de cateterismo de comunicações anormais do coração. Os cachorros que passaram pelo procedimento tinham estenose pulmonar, uma das patologias cardíacas mais comuns no cão. “Trata-se de uma má formação da válvula pulmonar que leva a uma obstrução à saída do sangue do coração (ventrículo direito) em direção aos pulmões”, explica Dr. Guilherme Goldfeder, chefe da equipe de cardiologia do Pet Care e presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária.

As cirurgias foram experimentais e ainda não estão disponíveis no Brasil, devido aos custos elevados dos equipamentos.

Fonte: Pet Mag

Comentários