Agressividade: o que fazer?

A agressividade, ao contrário do que possa parecer, é um comportamento que pode ser apresentado por qualquer cão, mesmo os mais dóceis, sendo considerado normal e instintivo em determinadas situações, como por exemplo, ataque a potenciais predadores, defesa de comida e território, ou ainda, proteção da ninhada.

Em relação aos cães de companhia que atualmente vivem tão próximos às famílias, é importante saber identificar situações que possam gerar comportamentos agressivos, para evitar acidentes. Observar os sinais corporais do cão é um cuidado que, por si só, será muito útil para que se possa agir antes de qualquer ataque.

Controle e limites

Apesar de ser corriqueiro ouvir que o cão morde sem dar sinais, são extremamente raras as situações em que um cão ataca sem ter dado mostras de que agiria assim. Alguns desses sinais são: olhar fixo, orelhas para frente, pelos eriçados, rosnados, dentes à mostra e afastamento em posição de medo. Qualquer um desses sinais corporais deve ser interpretado de acordo com o contexto. É importante tomar cuidado ao interagir com um cão que está sinalizando dessa forma.

Além disso, é necessário saber identificar o tipo de agressividade que o cão apresenta, para poder atuar da forma correta. Alguns exemplos: agressividade por medo, redirecionada por dor, para proteção de recursos (posse), entre outros.

É muito importante destacar que não se deve agir com violência contra o cão agressivo. Violência gera violência, e isso não é diferente quando se trata de nosso relacionamento com os peludos. Existe grande probabilidade de um cão que está apresentando comportamento agressivo e é confrontado fisicamente, partir para o ataque, o que pode gerar consequências desastrosas!

Reforço positivo

Em se tratando de um cão agressivo por medo, por exemplo, uma dica é fazer com que o cão associe a aproximação de pessoas e animais a coisas positivas, como petiscos, brinquedos e carinho. Com um treinamento realizado corretamente, o peludo perceberá que não precisa ser reativo a aproximações, já que as consequências são positivas e ele acabará se tornando mais confiante.

Avaliar o perigo e prezar pela segurança

De qualquer forma, se a pessoa não tem experiência com cães, não se sente preparada para lidar com um cão potencialmente agressivo ou se já ocorreram ataques, deve-se procurar ajuda de um profissional especializado em comportamento animal, que utilize técnica baseada no reforço positivo. Esse profissional estará apto a identificar as situações de agressividade e sugerir um treino para modificação comportamental, sempre prezando pela segurança de todos, cães e pessoas.

O trabalho a ser desenvolvido com esse intuito certamente auxiliará a família a conviver de forma mais harmônica com o cão, que é o grande objetivo de todos os que desejam ter um pet como companhia.

Fonte: The Pet News

Comentários